Crônicas da Itália: É preciso ter fé!

Meu marido, como todo bom brasileiro, é católico (bem, acho que hoje em dia a maioria dos brasileiros ainda são católicos, né? Ou será que os evangélicos já passaram da maioria?) Enfim, o que importa é que o Thiago tem fé! Já euzinha, bem, quem me conhece sabe que não sou uma pessoa de fé. Apesar de ter sido batizada (contra minha vontade, ainda bebê, para satisfazer minha avó), fui criada em uma família atéia. Respeito a escolha do outro de ter crença, fé e exercer sua religião, mas eu não acredito na existência de divindades, rejeito religião e não tenho fé. Ou melhor, não tinha fé…porque ir à Roma e atravessar a rua requer que você tenha MUITA fé!

Seguinte: poucas ruas têm sinais para pedestres. A maioria tem faixa de pedestre, mas não é que nem os EUA com placas de “STOP” por todos os lados, e muito menos que nem a Suiça, aonde é só você pensar em atravessar que magicamente todos os carros param (sério, na Suiça, nem era necessário colocar o dedinho do pé na faixa que os carros paravam…coisa de primeiro mundo!)

Em Roma, atravessar é rua é uma aventura! Como dizia no nosso guia de Roma, “A primeira impressão sugere que existe apenas dois tipos de pedestres em Roma: os velozes e os mortos.”

Aqui a prova! Tá no livrinho.

Para atravessar a rua, primeiro é necessário ter muita fé, falar um prece para o santinho protetor, e aí, olhar para os carros, se jogar na rua (se esforçando para não fechar os olhos) e torcer para que os carros homícidas parem ou desviem (80% das vezes eles desviavam…). E eu JURO que os carros (e as vespas!) são homícidas. Em Roma, pedestre é que nem sinal amarelo: melhor acelerar para não ter que parar! Eles são tão alucionados, que até o livrinho fala que são homícidas:

Até pegarmos essa manha, ainda no início da viagem, algumas vezes fiz o coitado do Thiago (com o joelho bichado) andar umas 10 quadras até chegarmos ao sinal mais próximo, porque eu tinha pavor de atravessar a rua assim, na coragem! Mas, até o final da viagem, já estávamos (quase) craques e atravessávamos as ruas de peito erguido, na coragem e com fé! 
Aqui um videozinho que encontrei no youtube de um casal atravessando a rua bem em frente ao Il Vittoriano, na maior tranquilidade. Agora, me diz, não dá um nervoso?! (Observação importante: eu não andava com essa calma toda…saia correndo que nem uma louca, porque afinal, se for para ser atropelada, que seja na Riviera francesa por uma Ferrari, não no meio de Roma por um ônibus, né?)

6 comentários sobre “Crônicas da Itália: É preciso ter fé!

  1. Cruz credo, nunquinha que eu ia atravessar nessa calma. Que loucura! Acho que isso consegue ser pior do que na Bolívia para atravessar a rua. eu andaria até o sinal.
    beijocas

    Curtir

  2. Me lembrou Shanghai. Cada vez que tinhamos que atravessar a rua era como se estivessemos correndo a São Silvestre, os carros não perdoam, não estão nem aí…
    Pra vc ter uma idéia as motocicletas andam livremente pela calcada?!!! Eu fiquei chocada.
    Aqui na Suécia colocou o pezinho no asfalto os carros freiam na hora!!! Amo essa civilizacão!

    Curtir

  3. Eu passei por aí a noite!! hehehhe

    Eu aprendi que na Itália, se vc quer atravessar tem que dar uma de malucos que nem esses caras… tem que simplesmente colocar o pé na rua e atravessar com fé. Agora, não olhe um segundo se quer para eles ou para o lado. Pq se eles perceberem que vc está inseguro, eles não param ! hehhehe

    Em Nápoles vimos 4 pessoas em uma vespa! 2 adultos e 2 crianças! BIZARRO!

    beijocas ju

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s